Tratamento de lesões desportivas através da Acupuntura

A consciência de que o tratamento de lesões desportivas através da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) era algo a ter em conta tornou-se ainda mais popular a partir de 2008, aquando dos jogos olímpicos de Pequim, quando circulou pelos meios de comunicação um artigo de uma nadadora olímpica chinesa com umas marcas nas costas resultantes de um tratamento de MTC, mais especificamente de Ventosaterapia.

 

Assim se percebeu a importância da MTC e dos seus benefícios no desporto e no tratamento de lesões resultantes do esforço físico, bem como na manutenção e preparação de provas e competições. Essas competições são cada vez mais comuns no nosso país com o aparecimento das mais diversas associações de diferentes modalidades desportivas, e grupos de atletas amadores que as organizam com uma periodicidade quase semanal.

 

Esta nova consciência coletiva relacionada com a pratica regular de desporto e com o investimento no bem-estar, levou a que se mudassem hábitos de vida e se percebesse que, em Portugal essas mudanças são bem recebidas.

A utilização da acupuntura no tratamento de lesões desportivas tornou-se uma realidade cada vez mais comum na nossa sociedade, com a importância que revela na alternativa à medicação e possíveis intervenções cirúrgicas.

 

Em atletas, dos mais variados níveis, desde amadores a profissionais é frequente o aparecimentos de lesões. A sua causa deve-se sobretudo ao excesso de treino, treino inadequado à condição física ou provas a que os atletas se submetem sem total atenção à recuperação e ao descanso das estruturas musculares e articulares, especialmente os membros inferiores, no caso da corrida.

Este tipo de situações são extremamente frequentes, tornando-se da maior importância o estabelecimento de um clima de confiança que permita ao desportista e ao especialista trabalharem em conjunto, aumentando a eficácia e o grau de satisfação do tratamento.

O DIAGNÓSTICO

 

A  caracterização da dor revela a sua importância para o diagnostico, pois possui determinadas variantes fisiológicas, bioquímicas, psicossociais, comportamentais e morais. As suas causas podem ser variadas e podem influenciar a sua existência e variação de intensidade ao longo do tempo, sendo a principal referida como resultado de uma lesão ou trauma.

A dor crónica exige uma abordagem multidisciplinar e a ausência de tratamento ou tratamento inadequado pode ter consequências fisiológicas adversas.

Dor aguda

 

- Início recente

- Duração limitada

 

 

Dor crónica

 

- Início mais prolongado

- Difícil identificação temporal e causal

 

De acordo com a teoria da MTC, como exemplo, uma dor no joelho pode ter várias origens, tais como invasão de fatores patogénicos externos, que podem evoluir e causar sinais e sintomas específicos de Vento, Frio, Calor e Humidade.

Vento Calor Humidade

 

Afecta sobretudo a parte inferior do corpo

Pode bloquear Qi e Sangue dos meridianos, especialmente o meridiano do Estômago

Edema

Rubor

Calor excessivo na zona dolorosa

Limitação de movimentos

Sensibilidade a ambientes húmidos

 

 

Vento Frio Humidade

Não tratado de forma correta pode evoluir para estagnação com acumulação de calor

Edema

Rubor

Outra causa provável de aparecimento de dor no joelho pode ser uma desarmonia interna resultado da Estase de Qi e Sangue.

 

Estase de Qi e Sangue

 

Causas

 

Esforço excessivo

Trauma

Cirurgia

Dieta inadequada

 

Sintomas

 

Afecta circulação nos meridianos

Dor fixa tipo facada

Formação de edema

 

 

Na correta avaliação de um caso clinico, o especialista de MTC tem que ter em conta que “ as combinações mais eficazes são criadas quando cada uma das três habilidades – Empirismo, Análise, Intuição – são adequadamente desenvolvidas e em equilíbrio” ( Jeremy Ross, 1995: 4).

 

MÉTODO DE TRATAMENTO

 

A partir do momento em que o diagnóstico foi alcançado, inicia-se um processo de tratamento baseado na escolha de protocolo de pontos de acupuntura para uma abordagem não só sintomática como também de base energética, referente ao resultado conseguido no diagnóstico, com igual atenção à causa primária que origina dor e aos sintomas adicionais.

 

AVALIAÇÃO DA DOR

 

Os fatores tidos em consideração na avaliação da dor são:

 

  • Intensidade da dor através da Escala de avaliação de Dor numérica, de 0 a 10;

  • Regulação temporal, avaliando quando é que a dor começou e se existiu alguma altura em que foi mais intensa;

  • Localização da dor,

  • O tipo de dor que a paciente sente;

  • Como a dor afeta o dia-a-dia da paciente;

  • Fatores de alivio ou agravamento;

  • Comportamentos físicos resultantes da dor, tais como, expressões não verbais como esfregar a zona dolorosa, protegê-la ou imobilizá-la.

 

 

O tratamento de um desportista é por um lado facilitado pelo facto de ter um estilo de vida ativo, com todos os benefícios que a prática regular de desporto possui, bem como, o cuidado com a alimentação, a hidratação e  o descanso.

Por outro lado, é difícil aconselhar um atleta a diminuir de forma considerável o seu nível de treino para que o tratamento da sua lesão seja eficaz e duradouro.

 

Torna-se importante na postura e experiência clinica do especialista ter competências no aconselhamento e esclarecimento do paciente, no sentido de lhe dar uma visão realista de qual poderá ser o resultado do tratamento se não colaborar ativamente na sua recuperação. Ainda que o atleta corresponda aos conselhos do especialista aquando do tratamento, é importante sempre esclarecer que a evolução poderá revelar-se mais lenta do que o esperado inicialmente, evitando um estado de ansiedade permanente do atleta remotar o seu treino habitual.

 

 

 

Pedro Namora

Acompanhe-nos

  • Facebook
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now